Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta Velha - Writer

24
Dez16

Bom Natal :)

Marta Velha

Feliz-Natal.jpg

 

15
Dez16

Onde estás?

Marta Velha

noite.jpg

 

 

 

Sinto o meu olhar a pesar

Os meus olhos cedem e fecham-se,

Mergulho por um sono leve…

Procuro-te em todo o lado. Quero encontrar-te!

Corro! Clamo por ti!

Queria gritar o teu nome…

As minhas pernas vacilam

Quero correr mais. Encontrar-te!

Grito aflitivo sai do fundo de mim!

“-Onde estás?”

Olho em redor. Busco pelo teu olhar doce e calmante…

Ali, estás ali… Sorrio,

Abraço-te como se estivéssemos sem tempo.

Beijo-te como se o amanhã fosse inatingível

O teu olhar diz-me o que a tua boca recusa falar.

Fico em silêncio

Os meus olhos choram…

Partes lentamente sem olhar para trás.

Continuo pelo meu sonho

Sei que te encontrarei mais à frente.

O teu beijo acalmou a minha ansiedade.

Sei que vou acordar e lembrar-me de ti.

O nosso abraço será eterno.

Quero dormir, sossegar…

Sei que o sono te trará até mim…

07
Dez16

Fui ver o mar... :) Mini conto

Marta Velha

inverno.JPG

 

     Era um dia de inverno como tantos outros que eu já tinha assistido. O vento forte agitava tudo em redor, o frio envolvia-me nos seus braços, mas eu gostava daquela sensação de frio a percorrer-me o corpo. O areal, à minha frente, era tão extenso! Não sei se terei coragem para o percorrer todo e depois voltar para o meu porto seguro. Estou sem ti há tanto tempo… Qualquer segundo é tempo demais quando se ama.

     E eu amo-te!

     Não sei o que aconteceu ao nós! Sei apenas que neste momento sou eu! E algures longe de mim és tu!

     As águas murmuram as mesmas palavras de amor que um dia murmurámos um ao outro. Todas as promessas que ficaram por cumprir levam-me a perguntar ‘Porquê?’

     Fecho os olhos e fico parada, quero tanto que estas ondas levem a minha tristeza e que em troca deixem todas as boas recordações! Os momentos que vivemos foram tão bons. Recordo as gargalhadas imensas, as brincadeiras nada inocentes que tínhamos, os beijos intensos que nos arrebatavam ao infinito, os braços que nos acalmavam, os nossos corpos suados depois das noites de prazer! Foram momentos… Apenas pequenos instantes na nossa vida! Mas eu quero que voltem!

     Agora vivo nesta ansiedade de não saber que é feito de ti! Volta! Por favor!

     Éramos tão cúmplices e perfeitos um para o outro.

     Quero ficar aqui parada e quero que o tempo pare comigo. Quero que o passado se justifique, quero que o presente corra rápido e que traga o futuro! E quero que o futuro se torne presente e que me faça sorrir! Sorrir ao recordar que estiveste no meu passado e me fizeste feliz! Muito feliz!

    Vejo as minhas pegadas gravadas na areia… Um dia caminhámos juntos, lado a lado, de mão dada, celebrámos o amor que nos unia. Agora as nossas pegadas vão em sentidos opostos!

     O rugido do mar grita o meu nome e até este rugido furioso me faz lembrar a tua voz! Juro mesmo que és tu que gritas por mim numa ânsia desesperada de me ter de volta! Como eu queria que assim fosse…

     O meu telemóvel toca e desperta-me desta letargia em que me encontro. O meu corpo arrepia-se quando vejo o teu nome ali gravado. Atendo a medo porque só posso estar a sonhar!

     -Sim?

     -Olá…

     A tua voz, tão rouca, tão distante, tão triste e tão desesperada como este mar!

     -O vento agita-te tanto o cabelo que, daqui, parece que tens mil braços a gesticular em cima de ti!

     Fiquei em estado de alerta! Também estavas ali! Ainda te lembravas que aquele era o nosso local favorito…

     -Onde estás?

     -Aqui…

     Olhei em redor. Estava tão desesperada por te ver! Desesperada para te abraçar e beijar e sorrir e dizer-te o que ainda sinto por ti!

     Ali! Estavas parado junto ao paradão. Era difícil não te reconhecer. Queria correr para ti. Andas com calma, tão como sempre! Os teus olhos nunca deixaram os meus.

     Escusado será admitir que as lágrimas me banharam o rosto. Agora estavas tão perto de mim. Não resisti…

     Corri pelos poucos metros que ainda nos separavam.

     Abracei-te com força!

     Beijei-te com saudades!

     Acariciei o teu rosto com amor!

     Toquei-te para ter a certeza que eras tu!

     -Maria…

     Abanei a cabeça. Não queria ouvir nada, queria apenas que o mar me acalmasse. O teu calor bastava. Pelo menos por agora.

     -Não digas nada…

     -Perdoa-me.

     -Saber perdoar é divino. Amar-te é o meu céu.

     Sorriste-me e de repente o meu coração foi invadido por mais amor.

 

     E ficámos ali, a ver o mar de mãos dadas e sem palavras para dizer o que nos ia na alma.

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D