Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marta Velha - Writer

Marta Velha - Writer

Jasmim e a força do Amor! :) Jasmim conhece Salvador

22.06.24, Marta Velha

Livro ‘Jasmim e a força do amor’

Podem comprar aqui: https://publish.chiadobooks.pt/books/272446

 

Jasmim tentou disfarçar uma pequena risada. Sentia-se observada pelo homem. Salvador. Tinha a certeza que se chamava Salvador. Era esse o nome que aparecia no seu sonho. Era ele. Tinha de ser. Era um homem muito bonito. Entroncado, cabelo castanho a tocar nos ombros, olhos expressivos e mãos grandes. Mas ao mesmo tempo parecia ser um homem isento de sentimentos, ressentido com alguma coisa. E o seu olhar conseguia ser intenso e distante ao mesmo tempo.

     “-E estas terras? São suas?” – Fez um ar zangado. A cabeça acenou em direcção às terras em redor.

     Snowy voltou a relinchar, a levantar as patas dianteiras e a bater com elas no chão com força. Jasmim assustou-se. Que seria agora? Acariciou-lhe a crina. Jasmim olhou em redor. O que é que a tinha fascinado quando viu aquele lugar pela primeira vez? Tudo.

     “-Meu senhor, olhe bem para mim. Pareço-lhe dona destas terras?” – Fixou o seu olhar no dele. “-Esta é uma terra farta de coisas maravilhosas! É verde, tem cor, tem flores, tem tanta vida!” – Falava do que já tinha visto com ternura. “-Tudo o que brotar daqui será de bom fruto! Tudo...” – Olhou para o chão. “-Caminhei até aqui. Algo me trouxe. Sabia que o meu futuro estaria aqui. Andei, andei muito. Quando olhei para tudo isto resolvi fixar-me. Não pensei em mais nada. Apenas em ficar à espera do meu futuro.” – Fez uma pausa. “-O meu coração disparou de alegria quando aqui cheguei, tanto que, infelizmente nem me perguntei se me seria permitido aqui repousar.” – Baixou os olhos envergonhada.

     “-Estas terras são pertença do senhor meu pai. Como não trabalha aqui devia ter uma autorização para se ter fixado.”

     Os restantes homens falavam num sussurro, falavam algo que Jasmim não entendia. Snowy agitava a cabeça com força. Relinchava muito agitado.

     “-Salvador!” – Disse o mais rechonchudo do grupo. “-Deixa-te de falatórios. O cavalo?”

     O nome dele. Era ele. Era ele o humano que iria fazer com que tudo se realizasse. Era com ele que descobriria o mais nobre dos sentimentos. Mas parecia-lhe tão frio. Tão distante. E ia tirar-lhe Snowy. Agora que o tinha descoberto não queria ficar sem ele. Não o podia deixar partir.

     “-Deixo-a ficar sem contrapartida se conseguir domar essa pequena fera branca que tem a seu lado.” – Salvador ficou espantado com as palavras que saíam da sua boca. Por instantes queria ter desculpa para a visitar sempre que lhe apetecesse. Queria poder olhar para aqueles olhos cheios de vida e de…amor!

     Jasmim sorriu e acariciou Snowy. “-Não me parece que este animal seja uma fera meu senhor!”

     “-Salvador. O meu nome é Salvador e é assim que me deves tratar.”

     Jasmim voltou a fazer uma vénia. E sorriu-lhe novamente. Era o homem mais bonito que alguma vez vira à sua frente. Elfos e duendes não contavam! Pensando mais a fundo, também nunca tinha visto nenhum homem assim tão de perto.

     “-E qual é a tua graça?”

     Snowy relinchou, Jasmim sorriu-lhe em sinal de agradecimento. Não tinha percebido a pergunta mas a ajuda de Snowy tinha sido preciosa.

     “-Jasmim, meu senhor.”

     Novo burburinho atrás de Salvador.

     “-Achas que consegues fazer algo por mim e domá-lo?”

     Jasmim abraçou-se a Snowy. “-Tenho a certeza que sim. Este animal já me ama!”

     “-Voltarei para ver os progressos!” – E sorriu-lhe. Um sorriso que deixou Jasmim a tremer. Tinha a certeza que se estivesse no Reino Encantado as cores das suas asas mudariam imensas vezes, dada a timidez.