Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta Velha - Writer

Marta Velha - Writer

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 25 de maio de 1892

20.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 25 de maio de 1892 Os dias têm passado devagar, olho para o mar todos os dias, as ondas conti‑ nuam furiosas, querem mais homens, querem mais dor. Tenho sempre esperança de ver o meu homem a sorrir de longe e a acenar‑me. Ainda me lembro dos seus abraços, dos seus beijos, das suas palavras a dizer que vai ficar tudo bem. Sim, tem que ficar tudo bem. O meu ventre cresce a olhos vistos. Já sinto esta criança a mexer. É um menino. Tenho a certeza disso. (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 22 de Março de 1892

19.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 22 de março de 1892 Não sei que faça. A dor é imensa. Os corpos foram enterrados, pelo menos os corpos de quem apareceu. Há os que se perderam para sempre no mar. Na igreja da Lapa chorou‑se por quem partiu, por quem nunca irá aparecer. Eu estive lá, no fundo da igreja. Havia gritos, lágrimas, cheiro a dor. A ti Zirinha segurou a minha mão. Ela também já perdeu o marido, dois filhos e um neto para o mar. Ela sabe o que eu estou a passar. Quero (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 8 março de 1892

18.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 8 de março de 1892 A minha vida acabou… As lágrimas que já chorei enchem este mar e outros tantos iguais. O monstro levou‑me quem mais eu amava na vida… Deixou‑me sem nada! Sem nada! No dia seguinte à tragédia tentei acabar com a minha vida! Se o mar tinha levado tudo que me levasse a mim também! A ti Zirinha segurou‑me a tempo! Abraçou‑me com força e disse que eu ia sobreviver. Não acho que isso seja possível. Aquele dia ainda está (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 20 de fevereiro de 1892

17.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 20 de fevereiro de 1892 Hoje foi outro dia de espera. Mas por fim o mar acalmou e os homens lá partiram. Hoje passeei pelas ruas do lugar. O Bilhanos acha que estou adoentada. Ando cansada e sempre com sono. Ele preocupa‑se demais. Não me quis ver na praia. Quase que me obrigou a passear um bocado. Mas não sei, sinto‑me estranha. Deve ser por causa das preocupações. Dormi um pouco durante a tarde, acordei com o cheiro a mar e a sal! Era Bilhanos (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 15 fevereiro de 1892

16.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou'   15 de fevereiro de 1892 Finalmente a fúria do maracalmou. Os homens já entraram nas águas e partiram. Mulheres e crianças ficaram nas areias a rezar para que o peixe viesse até eles. E Deus ouviu‑nos! Foi um dia como não há memória. Mais gigos houvesse mais peixe era apregoado nas ruas! Bendito seja Deus Nosso Senhor que nos ouviu! Finalmente comecei junto das outras redeiras a trabalhar. As minhas mãos ficaram feridas, afinal não é tão (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 10 fevereiro de 1892

15.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 10 de fevereiro de 1892 O inverno começou agora, forte, destemido, frio, revoltado com os homens. Há dois dias que os homens não saem para o mar. Ficam ali a olhar as nuvens carregadas de fúria e água. As ondas que se levantam são mais altas que o Bilhanos. Abracei‑me a ele com medo. E o vento furioso queria‑nos afastar. O seu rugido era tanto que tive que gritar para ser ouvida. Quis fugir para casa, mas o paizinho e o Bilhanos não me quiseram (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 4 Fevereiro de 1892

14.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou'  4 de fevereiro de 1892 Sou uma mulher casada! Casada perante a lei de Deus. Agora tratam‑me por senhora! E estou muito feliz. Nos dois primeiros dias não trabalhámos, estivemos sempre juntos um do outro. Trocamos carícias, beijos, juras de amor eterno! Serei sempre dele. Sempre! Hoje esperei o meu homem na praia. Olhei para o mar revolto como se o importante fosse o mar e não o barco onde ele vinha. Nunca tinha assistido a nada assim! Devíamos de (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 28 janeiro de 1892

13.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 28 de janeiro de 1892 Estamos a poucos dias do nosso casamento. O Bilhanos tem sido um amor para mim. Nunca ninguém me tratou tão bem como ele. Abraça‑me com amor. Diz‑me palavras de carinho. Temos uma casinha à beira‑mar, uma casinha nossa! O paizinho vai morar connosco. O Bilhanos pediu emprestado um barco. Vai pagando com o dinheiro da safra. Ele e o paizinho trabalham de sol a sol. Tudo para que um dia possamos ter algo só nosso. Conto os (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 20 janeiro de 1892

12.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 20 janeiro de 1892 O mar é um monstro!! Assusta‑me tanto. As ondas levantam‑se de repente. Parecem paredes. O barulho das águas é ensurdecedor! Hoje chorei com medo. Medo da morte, medo de perder, medo dos barcos, que pareciam brinquedos em cima da água. Tenho medo de perder para este monstro! O Bilhanos abraçou‑me, disse que tudo ia ficar bem. Ali nos seus braços tive a certeza que ele cumpriria a promessa. Faltam uns dias para o nosso casamento. A (...)

E tudo o mar levou! - Diário de Mafalda 1 janeiro de 1892

11.03.24, Marta Velha
Livro 'E tudo o mar levou' 1 de janeiro de 1892 Começa hoje um novo ano! Que seja um ano cheio de coisas boas. O Bilhanos falou em casamento. Fiquei tão feliz. Confesso que gosto dele. Quer casar já! Mas se calhar ainda é tão cedo! O paizinho ainda não sabe de nada! Talvez seja melhor esperar mais um mês. Ainda somos novos, nada se está a perder. Sei que o amo e ele não compreende esta espera. Uns dias, só mais uns dias. Falamos ao senhor padre e casamos na praia! O paizinho (...)